Vila Chã é uma freguesia costeira do Concelho de Vila do Conde e pertence à Área Metropolitana do Porto. Esta povoação integra uma comunidade piscatória tradicional  que exerce a sua actividade em embarcações tradicionais, de pequena dimensão e tecnologicamente pouco evoluídas. A actividade pesqueira, confere uma identidade própria a quem a pratica diferenciando-a culturalmente da restante população que se dedica a outras actividades. A lógica do trabalho feminino e do trabalho masculino não obedece à clássica distinção de tarefas em função do género. 

No norte de Portugal essa troca de competências na actividade pesqueira é mais evidente e mais facilmente aceite, em que a troca de papéis implica que a mulher exerça uma profissão masculina. Por um lado, a forte emigração para o Brasil que despovoou os lugares, também do litoral, obrigou a que as mulheres assumissem o sustento da família, exercendo a pesca de manhã cedo, continuando no resto do dia como lavradeiras, para a obtenção de produtos hortícolas; por outro lado, a forte contingência da morte do homem, frequentemente por naufrágio, com consequente viuvez precoce das mulheres, aponta para a principal razão para assistirmos a mulheres a bordo de embarcações com tarefas de pescador em muitas das nossas comunidades litorais. 

Especificamente na comunidade de Vila Chã, e até meados do séc. XX as mulheres organizavam-se como armadoras e eram elas próprias a companha  (tripulação de embarcação com função de pescadores. Neste caso cada companha tinha entre 3 a 6 mulheres, as embarcações eram pequenas, à vela e a remo e funcionavam como uma unidade empresarial familiar), pescando o pilado (pequeno caranguejo) e a sardinha, andando ao mar tal como os homens, sem serem viúvas. Era uma comunidade de fortes tradições da apanha do pilado e do sargaço (algas do mar), com redes e a bordo de embarcações de pequena dimensão, conhecidos como miranços.

Actualmente, as "artes de pesca", que consistem na reparação e manutenção dos instrumentos para a actividade pesqueira, ainda são praticados por ambos os sexos mas, sendo necessário, as mulheres enfrentam o mar sem qualquer medo ou apreensão, mulheres que dedicam igualmente parte do seu tempo à agricultura, à comercialização do produto da pesca e às actividades domésticas.

Na época balnear a dinâmica deste local altera-se, sendo o parque de campismo um dos motores de permanência sazonal de pessoas neste local, onde podem desfrutar das praias e da gastronomia da região e onde existe acesso a pontos de inegável interesse turístico (Porto, Braga, Guimarães e Viana do Castelo).